Guia do Blog

> Recepção (Mapa)
> Histórico (Sobre Nós)
> Fragmentos
> Sinopse do Conto
> Temas (em Versos)
> OFICINA MENTAL
> Variedades
> Da Redação
> VITRINA (Janela do Leitor)

"Sabe o Blog que corpos humanos, templos do Espírito!"
comum. Calcular PageRank com.br
Leitores Qualificados:
Ano 19 - MdM: 3.95







Intensas lidas. /
Letras recendem, /
Luzes acendem, /
Eis que desprendem /
Sombras temidas!



Doar Sangue, Um Gesto Simples e Gesto Nobre
Gotas de Vida!

Voto Distrital
Voto Distrital

"Como honrar à altura
o Corpo Humano:
associando-o a Deus
e à Natureza!"

(Jhosa)

[Contra-Capa]

FRUTOS INDIGESTOS

Coisas da nossa horta, abobrinhas, pepinos e muitos abacaxis!
(Por: Joseh Pereira – 01/04/2018) – Reeditado do Post de 27/08/2012

Melhor uma verdade que dói que mil mentiras que enganam. Eu, com o único desejo de animar a quem deste sentimento se dispuser, escolhi a “figura de uma horta com seus frutos”, para abordar as abobrinhas que normalmente ocorrem, os abacaxis que temos de descascar, além do pobre pepino, muito bom em nossa mesa, mas com péssima fama de indigesto, nem sempre verdadeira. Neste trabalho de esclarecimento, exaltação e prevenção em eventuais casos similares, típicos em condomínios, tentarei ser bem objetivo sem deixar, no entanto, de usar o tempero literário da Crônica. A história, deveras enxuta, tem muitas curvas e retas, ou seja, dúvidas e certezas. Vamos, aos poucos, adentrando e vivenciando cada momento, com a calma dos prudentes. Comecemos por uma data, 1978, maio, dia quatro, quando da assembleia geral de implantação, cf. [Ata Transcrita], com a eleição do primeiro Síndico do Condomínio, onde a família do Editor do Blog se instalou e, em definitivo, nunca mais saiu. A não ser em curto interregno de 1982 a 1991, um pouco em Itapecerica da Serra, outro pouco, na Santa Cecília (SP), único período em que deixei de ser sub-síndico ou titular do Conselho, mas reelegendo-me como membro do Corpo Diretivo logo após a nossa volta ao Prédio, tendo acompanhado de perto dezenas de gestões, umas mais regulares outras mais desastradas, nos 40 anos de existência oficial e jurídica do Condomínio. Acompanhar de perto (sem funções delegadas a auxiliares do Síndico e, por este, frequentemente desautorizado), entretanto, não quer dizer influir no processo, contribuir efetivamente. Aliás, quando da minha estada no Centro, por ser procurador de onze apartamentos de uma Empresa, num dos quais morávamos, exerci por um mandato a função de Síndico, fiz alguns cursos técnicos, profissionalizei-me e me estabeleci como Administrador de Condomínios, fechando minha Firma (a Prodata CSC Ltda.) quando me aposentei. Depois, mais recentemente, fiz ainda um curso extensivo na Escola Paulista de Direito sem maiores objetivos, apenas para me reciclar e obter maior segurança em questões específicas. No Condomínio (sigla, CEAC), eu demorei demais para poder ser real e verdadeiramente um Sub-Síndico ou um Titular do Conselho, quer dizer, com espaços para atuar sem ser logo podado, isto acontecendo somente após o ano de 2006, com a eleição de um dinâmico condômino, jovem empresário e Síndico bem antenado, com quem o Condomínio conta até os dias de hoje em reiteradas eleições. E as situações indigestas, armadilhas capciosas, umas desarmadas pós-2006 e outras, ainda com riscos de insucesso, coisas mesmo espantosas, Vocês – moradores ou não em prédios de apartamentos – querem saber, ao menos por alto, detalhes extraídos de uma longa e sinuosa história, até para poderem se prevenir (seja aqui ou em outras plagas) de incertos dissabores, antes que a sua casa, como no nosso caso, possa vir a sofrer?! Quem ama cuida, quem avisa, ainda assim, inimigo lhe parece?!
Além de projetar, construir e vender, a Construtora administra as contas do Condomínio até ser possível a eleição de um Corpo Diretivo interno, com a chegada e instalação de moradores em número suficiente para realizar a implantação. Ocasião em que, para desconforto de muitos, começam os “frutos indigestos” nem sempre oportunamente percebidos a se suceder aos nossos pés e ao Edifício de 15 andares, com um heliponto no seu topo. A macro-avenida, do Instituto Butantã à divisa de Osasco, haveria de ser melhor urbanizada, mal tinha deixado de ser Estrada Velha de Itu, estreita no seu final, foi pavimentada e duplicada pela PMSP, destacando [parte do terreno] cf. Proc. 493/76 (na TECAD, sempre fora das pautas), cuja indenização, depois de descartada pelos demais síndicos, nós pesquisamos, localizamos o Processo, constituímos e instruímos Advogados que, cinco anos antes de perdermos tudo ao Tesouro Nacional por abandono da Conta Judicial, conseguimos resgatar R$ 178+6 mil à Conta-Poupança do Condomínio, um resistente abacaxi, por todos desacreditado e, por nós, muito bem descascado. Foram sucessivas décadas sofrendo sem mapas a ilustrar terrenos e construções, para maior informação e segurança dos seus administradores, apenas dados técnicos em textos da Convenção do Condomínio pouco acessados e entendidos. Uma perigosa omissão de síndicos anteriores e flagrante falha na transmissão de encargos das contas quando da implantação (cf. Ata, acima). Para agravar, a Construtora mantém até hoje, das 120 Unidades, 27 suas locadas, sendo, com sua grave falha, citada, a maior ameaçada pela desinformação dos síndicos sem documentos essenciais à segurança patrimonial, além de terem destarte mantido um poder de veto e de voto nas assembleias gerais, excepcionalmente. A seguir, outro fato dentro da curva. Uma [Viela], “válida por apenas cinco anos”, inserida quando da construção do Prédio, dentro da área comum com terreno além-viela, confinado, que síndicos anteriores teriam permitido fosse usado em “comodato informal há anos por um vizinho do ramo automotivo”, o qual, agora, pleiteia usucapião por nós contestada, logo depois de notificado para fins de desocupação imediata. Da viela, sempre integrada à Escritura Pública, com o desinteresse manifesto da Prefeitura, o Condomínio, graças a [Ofício] do Sub-Prefeito da Lapa, obteve a retirada de postes e redes de comunicação neles instaladas, fechando legalmente a passagem particular, que será utilizada oportunamente. Nós, desde 2006, tão logo quisemos intervir, realizando ações nas áreas não construídas, fomos buscar plantas aprovadas do Construtor e fizemos novos levantamentos planimétricos, revisando e confirmando números. Outra coisa, além da presença de normas convencionais defasadas, nosso Regulamento Interno se encontrava envelhecido, o qual, com a ajuda de uma boa equipe e condôminos nas assembleias, atualizamos o [Regulamento Interno], adequando-o às necessidades gerais do Condomínio, atendendo melhor a vários procedimentos comuns. Das fachadas externas, a melhor é a frontal, estando em segundo lugar a face leste do Prédio e bem ruins as demais. O Zelador da época vetava catálogos de janelas fora do padrão, o morador recorria a uma Síndica (dezoito anos no cargo), a qual, além de desautorizar o correto Zelador, atendia o requerente desorganizando nossas fachadas. Finalmente, não havia, como sabem, o equilíbrio contábil, elevadores novos, um atraente jardim, salão de festas equipado e hall social digno do nome. Eis, pois, o que nós, durante catorze anos (2006 a 2020, inícios e fins de mandatos) de uma “monitoria profissional”, pudemos encontrar no Prédio, presenciar e ainda trabalhar para mantê-lo dentro do ritmo, corrigindo-lhe quando possível, com iniciativas, obras e reformas segundo normas em vigor. Enfim, quantas inconsequências, oriundas de entes facilmente identificáveis. Teriam pensado ser mais barato remediar do que prevenir?!


PS – Sim, sem dúvida. Um texto, do começo ao fim, firme e verdadeiro, realístico e necessário. No Condomínio, como na vida pessoal ou dos negócios, podemos desejar voltar o filme para refazer sua história, deixando-a ao nosso gosto e necessidades. Haveria, nele, muitos cortes e edições, “fazendo-nos felizes para sempre”, entretanto, na vida real não há passes de mágica. Quando muito, passados tortos podem contribuir por um presente e futuro mais retos ou menos tortos, sendo dignos de aplauso os novos agentes pela leitura dos fatos e a vontade de melhorar. O autor do texto, neste mister de escrever, prefere a forma leve, sucinta e não nominativa, ao abordar uma situação do seu entorno, sendo o caso um autêntico alerta para evitarmos maus passos antes das suas consequências, a qualquer tempo e lugar, sobretudo, em condomínios. Pensando bem… Dos que decidem, quem ganha mais?!

MBT – Ano XIX (2018): Originário de 27/08/2012, um texto em reprise com vida nova!

. Ver em: [ RECEPÇÃO ] – Todos os Títulos Já Publicados.
Apresentação do Blog como produto, no Post: [Turismo Interno] – Sinta-se em casa!

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>